10%
OFF!
Compartilhe nas Redes Sociais

Faces da Dignidade da Pessoa Humana

Produto: Em estoque
Avaliações:
0 opiniões
0.00
SKU.: EM-2021-1639
Autor: Letícia Franco Maculan Assumpção, Daniela Sessino Rulli, Silvio Augusto Pellegrini de Oliveira, Tatiana Dias da Cunha Dória
Sinopse:
A dignidade da pessoa humana - invocada como princípio jurídico na maior parte dos diplomas constitucionais - encontra grande dificuldade de concretização de seus valores na seara normativa, principalmente no que diz respeito a possíveis violações desse preceito fundamental.
Em uma sociedade plural e aberta, a cada cidadão é atribuído o direito de viver de acordo com as suas acepções e escolhas, cabendo ao Estado de Direito definir os regramentos a esses comportamentos de forma a garantir a concretização do princípio da dignidade da pessoa humana.
A presente obra apresenta várias contribuições para a análise do princípio da dignidade da pessoa humana, buscando enfrentar questões cotidianas de algumas de alguns problemas mais atuais dentro desse cenário, fazendo uma alocação com os direitos sociais, com o acesso às informações genéticas, com a família, com a procriação, com o direito ao nome, com a igualdade e com a autonomia do ser humano.
Os autores, dentre eles notários, registradores e advogados, trazem em seus estudos a experiência tanto do Direito brasileiro como do português, aliada às tendências mais modernas de outros países, na busca de delinear os contornos do princípio da dignidade da pessoa humana em suas várias vertentes.
Continuar lendo...

De: R$ 168,00

Por: R$ 151,20

em até 10x de R$ 15,12 s/ juros
no cartão de crédito
R$ 143,64 à vista no boleto ou cartão de débito
Clube de Fidelidade ganhe 15 pontos na compra deste livro
Outras formas de pagamento
Calcule o frete Preços e prazos de entrega

    ITEM EM PRÉ-VENDA. ENVIO A PARTIR DE 14/05/2021.
    Demais itens do pedido serão encaminhados juntos, após pré venda.


    Sinopse: 


    A dignidade da pessoa humana - invocada como princípio jurídico na maior parte dos diplomas constitucionais - encontra grande dificuldade de concretização de seus valores na seara normativa, principalmente no que diz respeito a possíveis violações desse preceito fundamental.


    Em uma sociedade plural e aberta, a cada cidadão é atribuído o direito de viver de acordo com as suas acepções e escolhas, cabendo ao Estado de Direito definir os regramentos a esses comportamentos de forma a garantir a concretização do princípio da dignidade da pessoa humana.


    A presente obra apresenta várias contribuições para a análise do princípio da dignidade da pessoa humana, buscando enfrentar questões cotidianas de algumas de alguns problemas mais atuais dentro desse cenário, fazendo uma alocação com os direitos sociais, com o acesso às informações genéticas, com a família, com a procriação, com o direito ao nome, com a igualdade e com a autonomia do ser humano.


    Os autores, dentre eles notários, registradores e advogados, trazem em seus estudos a experiência tanto do Direito brasileiro como do português, aliada às tendências mais modernas de outros países, na busca de delinear os contornos do princípio da dignidade da pessoa humana em suas várias vertentes.


    PARTE 1


    Direito à Historicidade: O Conhecimento da Identidade Genética como um Direito Fundamental Protegido pelo Princípio da Dignidade da Pessoa Humana na Bioconstituição


    Silvio Augusto Pellegrini de Oliveira




    INTRODUÇÃO 


    1 Genoma Humano


    1.1 Conceituações básicas: Identidade Genética, Identidade Pessoal, Genoma Humano e Intimidade Genética


    1.2 Os Testes Genéticos em Humanos e a Terapias Gênicas a Fim de Conhecer o Genoma Humano


    1.3 O que é Informação Genética?


    1.4 A Proteção Jurídica do Genoma Humano


    1.4.1 As Declarações Internacionais


    1.4.2 A Convenção sobre os Direitos do Homem e da Biomedicina


    1.4.3 A Carta Europeia de Direitos Fundamentais


    1.4.4 A Proteção Jurídica Atribuída nas Constituições no Direito Comparado


    1.5 A Genética e a sua Relação com os Direitos da Personalidade


    2 O Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana e seus Reflexos no Direito Contemporâneo


    2.1 Concepções do Princípio da Dignidade da Pessoa Humana


    2.1.1 Concepções Filosóficas;


    2.1.2 Concepção Jurídica.


    2.2 Os Direitos Humanos Frente as Transformações Biotecnológicas


    2.3 A Dignidade da Pessoa Humana como Norma Jurídica Fundamental na Constituição de Portugal


    3 Os Direitos Fundamentais na Bioconstituição


    3.1 Conceito de Bioconstituição


    3.2 Conceito de Direitos Fundamentais e suas Espécies


    3.3 As Dimensões dos Direitos Fundamentais na Bioconstituição


    3.4 A Técnica da Ponderação de Interesses como Mecanismo de Pacificação entre a Colisão de Direitos Fundamentais Envolvendo a Identidade Genética


    4 O Direito à Identidade Genética como Garantia do Livre Desenvolvimento da Personalidade Humana


    4.1 O Princípio do Livre Planejamento Familiar e o da Intervenção Mínima do Estado nas Formações Familiares


    4.2 Do Direito ao Conhecimento da Identidade Genética dos Filhos Gerados Através da Procriação Medicamente Assistida Heteróloga


    4.3 O Sigilo da Doação de Gametas e o Anonimato do Doador


    4.3.1 A Garantia de Preservação das Relação Familiares


    4.3.2 O Entendimento do Direito Português quanto ao Anonimato do Doador de Material Genético


    4.3.3 A Posição do Tribunal Constitucional


    4.4 Desbiologização da Paternidade


    4.5 Reflexões da Atualidade Envolvendo o Acesso a Identidade Genética


    4.5.1 Conhecimento da Origem Biológica em Decorrência de Doenças Genéticas por Parte da Pessoa Fecundada com Sêmen Provenientes de Bancos Genéticos


    4.5.2 Da Viabilidade dos Doadores de Espermatozoides a Bancos Terem Acesso às Fecundações Produzidas com o seu Material Genético


    4.5.3 Inseminações Artificiais Heterólogas Sem Assistência Médica


    4.5.4 A Inseminação Artificial Post Mortem


    4.5.5 A Maternidade ou a Gestação de Substituição


    5 Direito à Historicidade


    5.1 A Relação Existente entre a Dignidade da Pessoa Humana e o Direito ao Conhecimento da Identidade Genética na Bioconstituição


    5.2 Formas de Acesso e Conhecimento da Identidade Genética


    5.3 A Proteção Legal do Conhecimento da Identidade Genética


    5.4 Os Limites da Identidade Genética


    5.5 A Atuação dos Órgãos do Estado na Concretização do Acesso à Identidade Genética: As Conservatórias do Registro Civil das Pessoas Naturais como Fonte Legal e Segura para a Guarda e o Fornecimento das Informações Genéticas




    CONCLUSÃO




    BIBLIOGRAFIA




    PARTE 2


    Direito ao Arrependimento da Gestante de Substituição


    Daniela Sessino Rulli




    INTRODUÇÃO




    CAPÍTULO I


    ESTUDO E ANÁLISE DA GESTAÇÃO DE SUBSTITUIÇÃO SOB A OTICA DA TEORIA GERAL DOS CONTRATOS


    1.1 Gestação de Substituição


    1.2 Do Laço de Parentesco entre Maternidade e Filiação


    1.3 Do Negócio Jurídico


    1.4 Declaração de Vontade


    1.5  Vícios na Formação da Vontade


    1.5.1 Erro


    1.5.2 Dolo


    1.5.3 Coação Moral


    1.5.4 Incapacidade Acidental


    1.5.5 Estado de Necessidade


    1.6 Divergência entre a Declaração e a Vontade


    1.6.1 Simulação


    1.6.2 Reserva Metal


    1.6.3 Declaração Não Séria Intencional


    1.6.4 Coação Física


    1.6.5 Falta De Consciência Na Declaração


    1.6.6 Da Configuração do Erro


    1.6.6.1 Erro Obstáculo


    1.6.6.2 Erro de Cálculo ou de Escrita


    1.6.6.3 Erro na Transmissão da Declaração


    1.6.6.4 Erro Sobre a Pessoa ou Sobre o Objeto do Negócio


    1.7 Da Obrigação nos Contratos


    1.8 Elementos do Contrato


    1.9 Princípio Do Consensualismo


    1.10 Da Boa-Fé


    1.11 Da Equivalência Das Partes




    CAPÍTULO II


    DO ESTUDO ESPECÍFICO SOBRE O CONTRATO PADRÃO DO CONSELHO NACIONAL DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (CNPMA)


    2.1 Do Contrato de Gestação de Substituição


    2.2 Da Ordem Pública e dos Bons Costumes


    2.3 Risco Contratual 


    2.4 Fato Superveniente


    2.5 Cláusula Rebus Sic Stantibus


    2.6 Limitação Voluntaria dos Direitos da Personalidade




    CAPÍTULO III


    DO ESTUDO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA


    3.1 Dignidade da Pessoa Humana


    3.2 Conceito de Dignidade


    3.3 Dignidade da Pessoa Humana como Preceito Fundamental


    3.4 Antecipação Terapeutica do Parto


    3.5 Indenização por Filho com Má Formação Cerebral


    3.6 Dignidade da Pessoa Humana e Células Tronco


    3.7 O Direito de Sermos Nós Mesmos


    3.8 Direito ao Arrependimento


    3.9 Do Acórdão do Tribunal Constitucional sobre a Lei n.º 32/2006, de 26 de Julho. 


    3.10 Da Pesquisa Científica do Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI)


    3.11 Dos Estudos da Relação entre Gestante e Feto




    CONCLUSÃO 




    FONTES DOCUMENTAIS




    JURISPRUDÊNCIA MENCIONADA




    BIBLIOGRAFIA




    PARTE 3


    O Nome no Casamento e a Igualdade Jurídica dos Cônjuges Sob o Enfoque do Estado de Direito e dos Valores Democráticos


    Letícia Franco Maculan Assumpção




    INTRODUÇÃO


    1 O Nome das Pessoas


    1.1 O Nome Como Direito da Personalidade 


    1.2 As Partes do Nome


    1.2.1 O Nome Próprio, em Portugal, Prenome, no Brasil


    1.2.2 O Patronímico


    1.2.3 O Apelido ou Sobrenome


    1.2.4 Adjunções ao Nome Completo ou Agnome


    1.3 A Importância do Nome para o Estado


    1.3.1 A Importância do Nome da Mãe no Registro Civil e nos Cadastros Públicos


    2 A Alteração do Nome em Portugal e no Brasil 


    2.1 A Regra é a Preservação do Nome em Portugal e no Brasil


    2.2 A Alteração do Nome pelo Casamento em Portugal e no Brasil 


    2.3 O Nome no Divórcio


    2.4 O Princípio Primeiro da Justiça é o da Liberdade Igual


    3 Proposta de Imutabilidade do Nome pelo Casamento


    3.1 A Trajetória da Mulher na Busca pela Igualdade e o Nome no Casamento


    3.2 Análise da Existência de Fundamento Sociológico e Jurídico para que o Estado Admita a Alteração do Nome pelo Casamento


    3.3 Novo Paradigma: A Não Alteração do Nome em Virtude do Casamento




    CONCLUSÃO




    REFERÊNCIAS




    PARTE 4


    Filiação Socioafetiva no Direito Luso-Brasileiro


    Tatiana Dias da Cunha Dória




    INTRODUÇÃO


    1 Família e Filiação


    1.1 O que é Filiação Socioafetiva?


    1.2 A Evolução do Núcleo Familiar


    1.2.1 A Família na Antiguidade


    1.2.2 O Estudo da Família na Idade Média sob a Forte Influência do Código Canônico 


    1.2.3 O Surgimento do Protestantismo e os Reflexos na Estrutura Familiar.


    1.2.4 O Avanço na Configuração das Famílias


    1.3 Reconhecimento da Tutela Constitucional dos Princípios da Dignidade da Pessoa Humana, Igualdade e Afetividade 


    1.3.1 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana


    1.3.2 O fim do tratamento desigual por meio do princípio da igualdade.


    1.3.3 Afetividade como Valor e Princípio do Direito de Família e Princípio do Melhor Interesse da Criança


    1.4 Análise Comparativa da Evolução do Instituto da União Estável como uma Forma de Família-Semelhante ao Processo Evolutivo da Filiação Socioafetiva


    1.4.1 Requisitos para Caracterização do Instituto


    1.4.1.1 Da União Estável no Brasil


    1.4.1.2 Da União de Facto em Portugal


    1.4.1.3 Comparativo dos Institutos Luso-Brasileiro


    2 Parentalidade Socioafetiva e Multiparentalidade


    2.1 Filiação 


    2.1.1 Conceito


    2.1.2 A Filiação no Direito Brasileiro na Vigência do Código Civil de 1916.


    2.1.3 Semelhanças entre a “Adoção à Brasileira” e “Apadrinhamento Civil” do Direito Português.


    2.2 Legislação Reconhecendo a Filiação Socioafetiva


    2.3 Da Multiparentalidade


    2.3.1  Efeitos


    2.3.1.1 Dos alimentos 


    2.3.1.2 Da Guarda e do Direito de Visitação


    2.3.1.3 Impedimento Matrimonial


    2.3.1.4 Da Sucessão – Direitos e Deveres Sucessórios


    2.3.1.5 Ação Negatória de Filiação Socioafetiva


    2.3.1.6 Reconhecimento da Filiação Socioafetiva Post Mortem


    2.3.1.7 Poder Familiar: Emancipação. Autorização para Casamento. Representação do Relativamente Incapaz. Usufruto dos Bens dos Filhos Menores. Responsabilidade pela Reparação Civil.


    3 Formas de Reconhecimento de Filiação Socioafetiva


    3.1 No Brasil


    3.1.1 Reconhecimento Voluntário Diretamente no Cartório


    3.1.2 Escritura Pública


    3.1.3 Decisão Judicial


    3.2 Em Portugal


    3.2.1 Reconhecimento Diretamente nas Conservatórias do Registro Civil


    3.2.2 Decisão Judicial




    CONCLUSÃO




    FONTES DOCUMENTAIS




    FONTES BIBLIOGRÁFICAS


    Letícia Franco Maculan Assumpção
    Letícia Franco Maculan Assumpção
    Graduada em Direito pela UFMG. Mestre e doutoranda em Direito. Oficial do Cartório do Registro Civil e Notas do Distrito de Barreiro, em Belo Horizonte. Diretora do Instituto Nacional de Direito e Cultura (Indic). Co-coordenadora e professora da pós-graduação em Direito Notarial e Registral na parceria entre Indic e Cedin. Vice-presidente do Colégio Registral de Minas Gerais e diretora do CNB/MG e do Recivil. Autora de diversos livros e artigos na área do Direito Registral e Notarial.
    Daniela Sessino Rulli
    Daniela Sessino Rulli
    Doutoranda e Mestre em Ciências Jurídicas pela Universidade Autônoma de Lisboa, Advogada, Especialista em Direito Processual Civil pela PUC/SP, Pós Graduanda em Neurociências do Desenvolvimento, Professora de cursos EAD, Conciliadora, Mediadora. Autora do livro "Haverá Justiça para Mim?"
    Silvio Augusto Pellegrini de Oliveira
    Silvio Augusto Pellegrini de Oliveira
    Registrador Civil das Pessoas Naturais em São José do Preto/SP. Mestre e Doutorando em Ciências Jurídicas na Universidade Autónoma de Lisboa. Especialista em Direito Civil e Direito Notarial e Registral pela Universidade Anhanguera-Uniderp. Graduado em Direito na Universidade Metodista de Piracicaba/SP.
    Tatiana Dias da Cunha Dória
    Tatiana Dias da Cunha Dória
    Mestre em Direito pela Universidade Autónoma de Lisboa- Mestre em Direito pela Universidade Nove de Julho- Doutoranda em Direito pela Universidade Autónoma de Lisboa- Conciliadora e Mediadora- Registradora Civil e Tabeliã de Notas no Estado de São Paulo.
    Especificações do Produto
    Assunto Civil e Processo Civil
    Idioma Português
    Edição 1
    Mês Abril
    Ano 2021
    Marca Editora Mizuno
    Tipo Impresso
    Encadernação Brochura
    Paginação 421
    Formato 17x24
    Altura (cm) 24
    Largura (cm) 17
    Profundidade (cm) 2.1
    Peso (kg) 0,703
    ISBN 9786555261639
    EAN 9786555261639
    Faces da Dignidade da Pessoa Humana

    Avaliações

    0.00 Média entre 0 opiniões
    Ainda não há comentários para este produto.

    Opiniões dos clientes

    0%
    Recomendaram esse produto
    0%
    0 avaliações
    0%
    0 avaliações
    0%
    0 avaliações
    0%
    0 avaliações
    0%
    0 avaliações

    Formas de Pagamento

    Parcele com os cartões de crédito
    Boleto Bancário

    no Boleto/Transferência

    Cartão de Crédito
    Nº de parcelas Valor da parcela Juros Valor do Produto